Pular para o conteúdo principal

• Apatia


As mobílias trocam-se de lugar
Folhas caem na terra, decomposição
A insanidade te dá as mãos e aceitas
Como se fosse teu prêmio de consolação

Uma vida que se aflora demasiadamente
Observas de canto na sombra da letargia, 
Coração antes impulsionado, é ritmo parado
E a emoção outrora explosiva, só água fria

Assim mesmo, apatia é seu oxigênio agora
Em palpitares que não se propagam pelo pensar
Indiferente, não compra nem mais aqueles jornais
E hoje bebe com calma seus chás matinais

Patologia, caos emocional.

Comentários

  1. Adoro poema assim, engajado, com cunho social. Uma radiografia do nosso tempo. Abraços, Franciéle.

    ResponderExcluir
  2. Olá Fran!
    Um poema forte, contundente e direto!
    O jeito que você casa suas frases me encanta, é muito talentosa!
    Grande abraço e muito sucesso!

    ResponderExcluir
  3. Lindo poema. Dez vez em quando tb escrevo.
    Beijos :*
    Blog: www.tanoscript.blogspot.com.br
    Face: www.facebook.com/blogtanoscript
    Insta: @vanimonique

    ResponderExcluir
  4. A calma com que o sujeito oculto bebe seu chá matinal, traduz sua apatia diante de sua vida insana. Preciso te confessar que li seu poema duas vezes, como quem degusta de um delicioso chá! Parabéns! https://www.facebook.com/sergio.martins.752

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe aqui algumas palavras sobre o que compreendeu, a sua percepção do que leu...

Postagens mais visitadas deste blog

● Ponteiros tortos

Quantos sonhos loucos passaram por tua porta? Não viu as cores que tecem o céu, que mudou há tempos Perdemos a lucidez desde os anseios mais remotos Desde que a dúvida, calou qualquer tentativa torta
Me desnorteia respirar nesse véu de dias iguais Eu conversaria por horas dentro de mim mesma Com os mesmos traços e ainda os mesmos pedaços Embora sinto que meus anos correram demais
Voltaria para quem fui, correndo ao alento Retalhos do que bastou para amar, não seria para depois Basta de fugir do meu eu, sem contentamento! Eu e meus batimentos descompassados não somos dois 
Corremos na linha de qualquer outra perdição Entre a brandura e a loucura, sem ponteiros para seguir Na frente aos pés, aos poucos sinto a leve intuição Alguém mais despertou depois de tempos sem sentir?

Autoria: Franciéle R. Machado

• Distância entre corações

Quem seria eu  A protestar por poucos segundos Sendo que o amor que você me deu Me faz esquecer de todo mundo
Me sinto inútil ao viver o dia de hoje Sem que amanhã eu possa ver você Meu dia triste que fosse Se não mais pudesse eu te ver
Passam as manhãs, tardes E só em meu peito a única sensação Um coração fazendo seus alardes Querendo sentir o seu calor, ter sua atenção!
Quem poderia ser eu assim sem ti? Ser que vaga com o pensamento inquieto Eis que pelo ar em devaneio senti Você espalhando o perfume predileto
Seu olhar não me deixa ver o tempo passar Me perco por completo em seus braços Desejo ansioso poder te encontrar Me torno um viciado em seus beijos e abraços
Confortáveis caricias você trouxe até mim Que não consigo mais te soltar Sei que é dificil para nós ficarmos assim Mas sempre fico esperando você voltar
Autoria: Fabrício Balok e Franciéle Machado
---Conheçam o blog dele: Folhas Levadas pelo Vento


• Fria e magoada

Esse vento gélido para meus ossos Deste nublado céu de quatro e pouco da tarde Sinto como se flutuasse dentro de mim
Isso parece ser ideal para os dias nossos E sem gritar, sem qualquer alarde Não temeria hoje qualquer dia assim
Antes um devaneio assim não quisera Pois tinha medo do que os loucos diriam Do frio e sua leve brisa fria e magoada
Dessa suave sensação na pele, como pudera É só uma infâmia que repudiam! Essa brisa sobre a face, perfeita e desbotada
Só por este instante Quisera cair e recair neste devaneio
Infinitamente, visceralmente
Autoria: Franciéle R.Machado